Crise internacional da Covid-19 reduz emissões do aquecimento global em 17%; no Brasil, queda foi de 25%

Estudo foi publicado nesta terça-feira (19) na 'Nature Climate Change'.

É o menor índice mundial atingido desde 2006.

Avenida Paulista praticamente vazia neste sábado, 16 de maio Mister Shadow/ASI/Estadão Conteúdo A crise internacional de saúde da Covid-19 reduziu em 17% as emissões de carbono em relação à média diária de 2019.

No Brasil, a redução foi de 25%, ligada principalmente aos setores de transporte e indústria.

O estudo foi publicado nesta terça-feira (19) na "Nature Climate Change". O índice dos gases causadores das mudanças climáticas chegou ao patamar mais baixo desde 2006.

Os autores dizem que a queda está relacionada aos padrões de demanda de energia - fronteiras bloqueadas e isolamento social reduziram o transporte e mudaram os padrões de consumo.

As emissões tiveram uma redução média que variou de 11% a 25%.

Emissões do Brasil de 11 de março a 30 de abril Carolina Dantas/G1 No estado de Nova York, nos EUA, que chegou a ser epicentro da doença no mundo, a redução atingiu 32,7%.

Em Washington, a redução foi de 40,2%.

Na Europa, a queda foi em média 27%.

Esses índices mostram a taxa de emissão de gás carbônico (CO²), principal causador das mudanças do clima.

Apesar da queda nas taxas no Brasil, há um aumento no desmatamento, que é historicamente a principal causa das emissões no país.

Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) mostraram uma alta de 171% na perda de floresta em comparação a abril do ano passado. "Esses dados refletem o impacto econômico da pandemia, a redução na circulação de pessoas, da circulação de veículos, no número de viagens, e a redução da demanda por energia.

Então, acho que aqui no Brasil há uma redução também muito significativa na circulação de veículos e passageiros, além dos transportes de carga.

Esses números traduzem a situação de emergência que a gente está", disse Carlos Rittl, cientista e ambientalista especialista em mudanças climáticas.

"É bem provável que as emissões em 2020 sejam as menores em muitos anos, mas isso não significa que a gente colocou o mundo em um patamar de emissões que ele deve estar.

Por isso é importante olhar para a situação atual e ver que lições que a gente tira em relação às soluções que foram encontradas a curto prazo", ponderou o pesquisador. Outros dados do estudo O transporte terrestre, como viagens de carro, responde por 43% da redução das emissões globais durante o auge do confinamento no planeta, que ocorreu em 7 de abril.

Já as emissões feitas pela indústria e pela produção de energia representam mais 43% na queda da taxa. A aviação, um dos setores mais afetados pela crise da Covid-19, representa 3% de toda a liberação de CO² no planeta e teve uma redução de 10% durante a pandemia.

"Existem oportunidades para fazer mudanças reais, duráveis e mais resistentes a crises futuras, implementando pacotes de estímulos econômicos que também ajudam a cumprir as metas do clima, especialmente para a mobilidade, responsável por metade da redução das emissões durante o confinamento", disse a autora principal do estudo, Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Ao todo, 69 países foram analisados.

Eles são responsáveis por 97% das emissões globais.

No auge do confinamento pela Covid-19, 89% deles estavam com algum tipo de restrição à população.

No total, ocorreu uma redução de 1.048 milhões de toneladas de dióxido de carbono até o final de abril.

Categoria:Natureza