Polícia e Funai flagram garimpo e extração de madeira em torno de terra indígena de RO

Flagrante ocorreu durante fiscalização contra crimes ambientais nesta semana e ninguém foi preso.

Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é alvo de ações de desmatamento.

Barracas foram encontradas durante fiscalização da Polícia Ambiental e Funai em terra indígena de Rondônia.

Divulgação/Associação Kanindé Equipes do Batalhão da Polícia Ambiental (BPA) e da Fundação Nacional do Índio flagraram nesta semana um garimpo e atos de extração de madeira no entorno da terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau, no município de Campo Novo de Rondônia.

Além da abertura de uma estrada, barracos, uma serra e de madeira foram encontradas.

Ninguém foi preso. De acordo com boletim de ocorrência, o flagrante ocorreu em meio aos trabalhos dos órgãos para frear crimes ambientais.

Primeiro, os fiscais se depararam com uma estrada em fase de abertura já com cinco quilômetros de largura e comprimento, dando acesso a uma área antiga de assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Depois, encontraram barracos montados e uma serra, além de madeira já serrada.

Nenhum suspeito responsável pelo crime foi encontrado.

Alvo de desmatamento A TI Uru-Eu-Wau-Wau é alvo constante do desmatamento.

No ano passado, ficou entre as 10 terras mais desmatadas do país.

Com 1.857 mil hectares de área, a Uru-Eu-Wau-Wau já perdeu 42,54 km² entre 2008 e novembro de 2019, conforme dados do Prodes. A floresta na terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau garante a sobrevivência de cinco povos, sendo dois isolados, ou seja, sem qualquer contato com pessoas de fora da aldeia.

Eles dependem exclusivamente do que a mata oferece.

A terra também está na lista das mais desmatadas do país. De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), duas áreas invadidas foram ocupadas pela Associação Rural Rio Bonito, do município de Campo Novo de Rondônia, que estaria loteando e comercializando as áreas.

Categoria:Natureza